História da Polícia Militar do Pará

sábado, 11 de dezembro de 2010

O USO DA TONFA COMO TÉCNICA NÃO-LETAL E ALTERNATIVA POLICIAL CONTRA A VIOLÊNCIA

As cenas de policiais militares executando imobilizações incorretas ou com dificuldade de conter a pessoa em conflito com a lei são vistas em quaisquer jornais brasileiros e chocam pela inadequação ou demonstração de força desnecessária. Mas, o que fazer quando o policial conta apenas com as mãos, cassetetes, tonfas e ou a própria arma de fogo?
Evidentemente que a arma de fogo, segundo as doutrinas mais recentes e o que prescreve a defesa dos direitos humanos e preservação da vida seria o último recurso a ser empregado. Antes, deveriam ser empregados todos os recursos e técnicas não letais para vencer a resistência do oponente, no caso em especial, o cidadão transgressor que, via de regra, eufórico e movido por intensa violência resiste à ação policial.
Para muitos, o cassetete e a tonfa teriam o mesmo emprego: bater. Contudo, para quem ainda pensa dessa forma podemos assegurar que muita coisa tem mudado nesse aspecto e a vulnerabilidade policial em utilizar-se da tonfa tem dado lugar a uma série de possibilidades criativas, eficientes e promissoras na imobilização de pessoas resistentes aos apelos da lei.
Foi com a cabeça cheia dessas inquietações e refletindo sobre o desafio para o uso da tonfa na PMPA que há 16 anos atrás, o então SOLDADO PM PAULO NASCIMENTO, já à época um exímio praticante de artes marciais, começou a devotar horas de estudo e pesquisa para desenvolver um conjunto de técnicas e métodos de emprego desse equipamento policial.
Várias foram as tentativas, erros e acertos foram se apresentando, assim como as incompreensões e o ceticismo tomavam conta, mas nada como o trabalho e os frutos tem brotado. E, desta forma, atualmente após muita insistência o atual SARGENTO PM PAULO NASCIMENTO, tem dado demonstrações claras de que a tonfa veio para ficar e potencializa uma série de ações policiais militares ligadas à imobilização e à proteção do policial militar, principalmente diante de aglomerações, tumultos e confusões, momento em que parece mais vulnerável.
Foi partindo do pressuposto de que é possível desenvolver técnicas de defesa policial militar que o SGT PM NASCIMENTO tem investido nessa pesquisa, tomando por base os conhecimentos adquiridos nas artes marciais e aplicando delas somente o que for estritamente necessário à finalidade policial militar que é imobilizar, resolver, conter e isolar o seu alvo numa ocorrência.
Assim, nos últimos oito anos o Sgt. Nascimento tem se notabilizado como um dos pesquisadores brasileiros de maior destaque no uso de técnicas relativas à tonfa, inclusive difundindo seus conhecimentos através do curso de MANUSEIO TÁTICO DO BASTÃO TONFA com uma infinidade de aprendizes pelo Brasil.
Dentre os quais destacam-se os integrantes da PMPA, PMCE, entre outras có-irmãs policiais militares, mas observa a esse respeito que ainda não é dado o devido valor a esse equipamento de trabalho nas políciais militares, assim como também a prática da defesa pessoal deve estar voltada, no caso do Policial Militar em serviço, à sua atividade, à resolução da ocorrência, não cabendo assim socos, pontapés e demais golpes marciais que emprestariam à atividade policial militar uma demonstração de força desnecessária.
A Polícia Militar do Ceará, a propósito, mantém o curso desde 2008 com apoio do Comando da corporação que estimula o uso do equipamento e, também, a PMCE fez a outorga ao SGT PM NASCIMENTO da Medalha José Martiniano de Alencar como reconhecimento aos serviços prestados na área do ensino da técnica de defesa pessoal desenvolvida.
Segundo o Sgt PM Nascimento o fundamental é imobilizar e manter a segurança do Policial Militar com o mínimo de esforço e com a máxima submissão do oponente e, por isso, o trabalho incide em grande medida sobre as articulações, mas as técnicas devem ser treinadas constantemente e testadas de todas as formas.
O resultado da pesquisa do SGT PM PAULO NASCIMENTO poderá, em breve, constar nas bibliotecas da APM e CFAP, pois desde o ano passado o Manual para o uso do bastão tonfa foi apresentado ao Estado-Maior da PMPA que o aproveu e recomendou para publicação, aguardando somente a alocação de recursos necessários para a editoração.

Para algumas demonstrações do trabalho do SGT PMPA PAULO NASCIMENTO, clique AQUI.

Um comentário:

  1. Parabéns SGT Nascimento, pela dedicação e perseverança e grandiosa visão.
    Mestre Sampaio.

    ResponderExcluir